SOURCE: Glitnir

November 05, 2007 14:35 ET

A Aqüicultura Está Passando por um Momento Favorável na América Latina, de Acordo com o Mais Recente Relatório Sobre Frutos do Mar da Glitnir, Aumentando as Exportações das Culturas de Salmão e Tilápia para os Estados Unidos e Pescados para a China

SHANGHAI, CHINA e REYKJAVIK, ICELAND--(Marketwire - November 5, 2007) - A América Latina é um fator importante no setor mundial de frutos do mar. Peru e Chile, sozinhos, são responsáveis por aproximadamente metade de toda a produção de pescados do mundo, e o Chile é o segundo maior produtor do mundo de salmão em cultura, atrás apenas da Noruega. A aqüicultura é uma tendência que cresce em toda a região, com a demanda de produtos da aqüicultura devendo crescer em todo o mundo 8 por cento ao ano. A região atualmente abastece cerca de 99 por cento do volume total de importações e de filés de tilápia fresca para os Estados Unidos.

A Glitnir, a líder mundial em serviços de financiamento para o setor de frutos do mar, divulgou hoje seu novo relatório sobre o setor de frutos do mar na América Latina. O relatório analisa as principais tendências e avanços no setor de frutos do mar em todo o continente com atenção especial na Argentina, no Brasil, no Chile e no Peru. Um estudo de caso sobre a cultura de tilápias na América do Sul também está presente.

Este é o mais recente Relatório sobre o Setor de Frutos do Mar na América Latina, além de ser o segundo relatório anual a ser publicado pela Glitnir a respeito do mercado da América Latina e o final de uma série de sete planejados para 2007. Os relatórios sobre frutos do mar elaborados pela Glitnir referentes à Europa, às Américas do Norte e do Sul, além da China, estão disponíveis em www.glitnir.is/seafood.

Descobertas do relatório

--  A pesca total referente às nações da América Latina contabilizou 17,1 milhões 
    MT em 2005, (17,7% da pesca mundial) com Peru e Chile se destacando como as 
    principais nações produtoras de 82% do volume total.
    
--  Em 2006, a pesca argentina cresceu 24 por cento em relação ao ano anterior, 
    atingindo 1,1 milhão de MT principalmente por conta de um forte aumento no 
    pescado branco, sendo os maiores contribuidores para isso a lula e o camarão 
    argentino vermelho.
    
--  O merlúcio é a espécie mais importante da Argentina com a pesca total atingindo 
    354 mil MT em 2006, uma redução de 2,3 por cento em relação ao ano anterior.
    
--  O Peru é a segunda maior nação pesqueira do mundo, em MT, com base nos números 
    da pesca mundial em 2005. Grande parte dessa pesca é formada por espécies 
    oceânicas de baixo valor
    
--  O Peru é o maior produtor do mundo de pescados com aproximadamente um terço da 
    produção mundial e 41 por cento das exportações internacionais em 2006.
    
--  O consumo anual de pescados nos países analisados é maior no Peru 
    (20,0 kg por pessoa), seguido de Chile (16,5 kg), Argentina (6,5 kg) 
    e Brasil (6,0 kg)
    

Aqüicultura

O Chile é o país líder em aqüicultura na América Latina com uma produção de 698.000 MT (52% do total) estimada em 3,1 bilhões de dólares em 2005. Notou-se um crescimento no volume de 78% nos últimos cinco anos. Os Estados Unidos formam o maior mercado único de salmão atlântico chileno, com um total de importações em 64.959 MT estimadas em 470 milhões de dólares nos primeiros 8 meses de 2007.

Impulsionada pela demanda chinesa de pescados, a produção em aqüicultura também tem crescido no Peru, o segundo maior produtor de pescados do mundo. Honduras, Equador e El Salvador agora estão se firmando como participantes importantes em termos de exportação de filés de tilápia fresca para o mercado norte-americano. México e Brasil estão à frente na cultura de tilápias, produzindo 100.000 MT cada em 2006, embora ambas as produções sejam essencialmente destinadas ao consumo doméstico.

As importações de tilápia para o mercado dos Estados Unidos cresceram drasticamente nos últimos anos, sendo agora o sexto pescado mais popular do país devido ao seu sabor suave, à possibilidade de adaptação a vários estilos de preparo e à textura que difere de todos os demais tipos de peixe. Cerca de 96 por cento de toda a tilápia consumida nos Estados Unidos é importada, e 99 por cento dela provém dos países da América Latina. Os custos de transporte inferiores tornam a América Latina um fornecedor competitivo.

Pescados

As espécies oceânicas são parte significativa da pesca peruana, sendo mais usadas no setor de frutos do mar no Peru. A espécie mais importante é a anchova. Desde 2002, somente a anchova pode ser usada em pescados. O uso de sardinhas, carapaus e cavalas está restrito ao consumo humano direto.

Em 2006, o Peru exportou 97 por cento de pescados e 96 por cento da produção de óleo de peixe. 41 por cento das exportações foram para a China, 16 por cento para a Alemanha e 13 por cento para o Japão. A demanda por pescados, especialmente na China e na Europa, deve aumentar ainda mais nos próximos anos com uma necessidade cada vez maior de uma alimentação saudável.

A baixa do dólar norte-americano está barateando os pescados tanto na Europa quanto no Japão, e eventos temporários imprevistos na China enfraqueceram a demanda por pescados na primeira metade de 2007, acarretando preços menores. No entanto, os preços dos pescados agora se estabilizaram em 830 dólares/MT FAQ FOB Peru, com um acréscimo entre 100 e 200 dólares para produtos especiais e super especiais, e a demanda cada vez maior com o abastecimento limitado deverá manter os preços em um patamar relativamente elevado.

Este é o mais recente Relatório sobre o Setor de Frutos do Mar na América Latina, além de ser o segundo relatório anual a ser publicado pela Glitnir a respeito do mercado da América Latina e o final de uma série de sete planejados para 2007. Os relatórios sobre frutos do mar elaborados pela Glitnir referentes à Europa, às Américas do Norte e do Sul, além da China, estão disponíveis em www.glitnir.is/seafood.

A Glitnir é especializada no financiamento do setor de frutos do mar em todo o mundo. Em dezembro de 2006, a Glitnir Securities de Oslo, com a cooperação da Glitnir Corporate Finance de Londres e da Equipe de Frutos do Mar da Glitnir de Reykjavík, realizou a colocação particular da Copeinca, uma das maiores produtoras de óleo de peixe e pescado do Peru. A Glitnir Securities também foi a responsável pela administração da listagem da Copeinca na Bolsa de Valores de Oslo em janeiro de 2007.

Sobre a Glitnir

O grupo financeiro Glitnir oferece serviços bancários para investimentos, corporativos e de varejo. A Glitnir é uma empresa líder em três segmentos do setor mundial: frutos do mar/alimentos, energia sustentável e embarcações de serviços costeiros. A Glitnir atua na Islândia, na Noruega, na Suécia, na Dinamarca, na Finlândia, no Reino Unido, em Luxemburgo, na Rússia, no Canadá e na China, além de ter fundado uma subsidiária nos Estados Unidos, a Glitnir Capital Corporation, em 2007 em Nova York, para solidificar sua presença no continente americano. A Glitnir está presente na Bolsa de Valores da Islândia (GLB).

Para obter mais informações: www.glitnirbank.com

http://www.glitnir.com

Relatório da Glitnir sobre a América Latina: http://hugin.info/133924/R/1164655/228098.pdf

Contact Information



  • Mais informações:

    Para obter comentários sobre Relatórios do Setor de Frutos do Mar Elaborados pela
    Glitnir ou atividades e serviços prestados no setor de frutos do mar pela Glitnir,
    entre em contato com:

    Jón Garðar Guðmundsson
    Diretor Administrativo, Setor Bancário Internacional
    Glitnir
    telefone +354 440 4516
    e-mail: jgg@glitnir.is

    Bjørn Richard Johansen
    Diretor Administrativo, Comunicação Corporativa
    Glitnir
    telefone celular +47 47 800 100
    e-mail: brj@glitnir.no

    Para fotos: Entre em contato com akj@glitnir.no