SOURCE: HUGO BOSS AG

November 02, 2009 13:46 ET

HUGO BOSS no Primeiro Trimestre de 2009

METZINGEN, ALEMANHA--(Marketwire - November 2, 2009) -


HUGO BOSS mantém posição em difícil ambiente de mercado

--  Apesar de declínios nas vendas, a posição de mercado foi defendida
    e as rendas mantidas em alto nível
--  Aumento substancial em fluxo de caixa através da rápida adoção
    de medidas estruturais e de eficiência 
--  Débito reduzido em 26%
--  Persistência em realinhamento estratégico
    

A HUGO BOSS AG publicou hoje a sua demonstração dos primeiros nove meses do ano fiscal de 2009.

No decorrer do ano a recessão global causou declínio nas vendas na indústria de vestuário, que em alguns casos foi bastante substancial. Apesar do que aconteceu, a HUGO BOSS AG conseguiu manter muito bem a sua posição até agora neste ano. A 1.238 milhão de euros, as vendas do Grupo foram de 9% abaixo do nível do ano anterior (T1-T3 2008: 1.364 milhão de euros). A margem de lucro operacional foi, entretanto, mantida no nível do ano anterior (18%).

A estratégia de focar mais no futuro das próprias operações de varejo do Grupo está tendo um impacto positivo. Os negócios do setor de varejo do Grupo geraram uma contribuição positiva para as vendas após nove meses, enquanto que as vendas para os clientes atacadistas caíram. Isto aconteceu devido à incerteza extrema causada pela situação e panorama da economia em geral.

Desempenho estável das vendas nas regiões em crescimento das Américas e Ásia/Pacífico

Regionalmente, a HUGO BOSS registrou vendas mais baixas na Europa enquanto que houve um pequeno aumento nas Américas. As vendas na Ásia continuaram marginalmente na mesma posição.

No mercado europeu, as vendas caíram em 13% para 852 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2009 (T1-T3 2008: 980 milhões de euros). A queda ocorreu principalmente devido aos desafios econômicos contínuos no leste da Europa e Espanha.

No continente americano, as vendas de 233 milhões de euros no final do T3 foram de 2% acima do nivel do ano anterior (T1-T3 2008: 228 milhões de euros). Os declínios nas vendas da América do Norte contrastaram com grandes aumentos de 32% nas regiões em crescimento das Américas Central e do Sul em moedas locais.

Na região da Ásia/Pacífico, a HUGO BOSS gerou receitas de vendas de 122 milhões de euros até o T3 de 2009. Este montante foi apenas um pouco abaixo em comparação com o mesmo período do ano anterior (T1-T3 2008: 124 milhões de euros). As próprias operações de varejo do Grupo na China registraram um desempenho positivo. As vendas mais do que triplicaram em comparação com o ano anterior.

O lançamento de sucesso de novos produtos ajudou a manter as receitas relacionadas com licenças no mesmo nível do ano anterior de 31 milhões de euros (T1-T3 2008: 32 milhões de euros).

Medidas estruturais adotadas bem cedo estão causando impacto

Os ganhos operacionais (EBITDA antes de itens especiais) de 224 milhões de euros (T1-T3 2008: 257 milhões de euros) (18% de vendas) refletem implementação de sucesso de medidas estruturais e de eficiência que foram adotadas logo no início. Em termos qualitativos, esta margem de lucro é acima do valor para o ano anterior e melhorou 3 pontos percentuais em comparação com o primeiro semestre de 2009.

O lucro líquido consolidado no final de setembro de 2009 é de 99 milhões de euros (T1-T3 2008: 128 milhões de euros), com itens especiais de 30 milhões de euros subindo como resultado das medidas estruturais e de eficiência.

Alto nível de fluxo de caixa será usado para reduzir o débito

A implementação de sucesso das medidas com foco em melhorar as receitas é refletida principalmente no fluxo de caixa das atividades operacionais, que subiram de 163 milhões de euros para 229 milhões de euros em relação ao período correspondente do ano anterior. Além das iniciativas para otimizar os custos, a redução de 34% em capital circulante líquido teve um impacto positivo. Como resultado, o débito líquido foi reduzido em 26% para 459 milhões de euros desde setembro de 2008.

No decorrer de 2009, a HUGO BOSS espera um declínio em percentagem nas vendas igual aos primeiros nove meses. A margem de lucro operacional (EBITDA antes de itens especiais, em relação às vendas) deverá ser no mesmo nível do ano anterior.

Persistência no realinhamento estratégico

A HUGO BOSS continuará no caminho do realinhamento estratégico e persistirá na otimização das estruturas e processos. Estas medidas formam a base para a curva de crescimento que a empresa espera para 2010 e para o futuro.

"Queremos usar maior diferenciação em nosso portfólio de marcas para termos acesso a um maior potencial de vendas e, portanto, reforçarmos a nossa vantagem competitiva", comentou Claus-Dietrich Lahrs, presidente e CEO da diretoria da HUGO BOSS AG, em publicação da demonstração financeira interina de janeiro a setembro do atual ano fiscal.

A demonstração detalhada dos primeiros nove meses, bem como informação relacionada com a HUGO BOSS AG podem ser encontradas acessando http://group.hugoboss.com.

HUGO BOSS T3_02 Nov 2009_e http://hugin.info/131370/R/1351848/326864.pdf

HUGO BOSS_Demonstração Interina T3_e http://hugin.info/131370/R/1351848/326865.pdf