SOURCE: IASLC

International Association for the Study of Lung Cancer

December 05, 2016 19:55 ET

Defensores de Saúde Pública de todo o mundo abrem novas frentes na Guerra Contra o Tabaco

VIENNA, AUSTRIA--(Marketwired - 5 de dezembro de 2016) - Os esforços para o controle do tabaco como ameaça à saúde pública intensificaram com a união dos médicos e defensores de saúde no combate às ameaças das empresas de tabaco, por meio da defesa pública, saúde pública e reforma de pensão. Defensores de saúde pública do Brasil, Malásia, Irlanda, Austrália e Uruguai apresentaram estratégias diferentes que têm controlado a ameaça global das empresas de tabaco em uma coletiva com a mídia na IASLC 17a Conferência Mundial sobre o Câncer de Pulmão (World Conference on Lung Cancer - WCLC).

A jovem médica que trata de pacientes com câncer de pulmão no Peter MacCallum Cancer Centre em Melbourne, Austrália, a Dra. Bronwyn King ficou consternada de ver o impacto que o fumo tem nos seus pacientes -- muitos deles começaram a fumar enquanto crianças. Sua surpresa aumentou ainda mais quando descobriu que o fundo de pensão do hospital investia o dinheiro dela nos mesmos produtos de tabaco que estavam matando seus pacientes.

"Quando descobri que, através do meu fundo de pensão compulsório, eu investia e era parcialmente proprietária de várias empresas de tabaco, não pude me calar -- tive que fazer alguma coisa", disse ela.

Para fazer isso, a Dra. King fundou Tobacco Free Portfolios para engajar por meio de colaboração com os líderes do setor financeiro para incentivar os investimentos que não envolvem o tabaco. Ela logo descobriu que os executivos financeiros também estavam alarmados com a intensidade dos problemas com o tabaco e estavam reconsiderando profundamente o seu papel em abordar este problema global tão grave.

"Por causa disso, a Austrália agora tem 35 fundos de pensão que não envolvem o tabaco -- cerca de mais de 40 por cento de todos os fundos. Muitos outros estão se envolvendo no projeto e todos comerciais contra o fumo estão tendo um grande apoio do público", ela disse.

Na Irlanda, a indústria de tabaco alegou que a fumaça ambiental do tabaco não é prejudicial à saúde pública, mas o governo irlandês rejeitou essa alegação e instituiu uma proibição ao fumo abrangente nos locais de trabalho tais como bares, restaurantes, salões de bingo e cassinos, de acordo com o Dr. Luke Clancy do TobaccoFree Research Institute de Dublin, Irlanda. A Irlanda foi o primeiro país do mundo a instituir a proibição ao fumo em todo o país.

"A proibição ao fumo de 2004 da Irlanda tem demonstrado um impacto positivo na saúde pública e serve como um modelo que pode ser seguido nos outros países da Europa", disse o Dr. Clancy do TobaccoFree Research Institute de Dublin, Irlanda.

O Dr. Clancy informou que o planejamento e o investimento valeu à pena, pois a proibição ao fumo em todo o território nacional irlandês foi associado com reduções na mortalidade precoce. Estudos dos efeitos da proibição do fumo demonstram uma queda de 13 por cento na mortalidade de todas as causas, uma redução de 26 por cento da doença isquêmica cardíaca, uma redução de 32 por cento do infarto, e uma redução de 38 por cento da doença pulmonar crônica obstrutiva.

Enquanto a Dra. King e o Dr. Clancy lutam contra os interesses da indústria do tabaco nos seus países, o Dr. Zarihah Zain do Lincoln University College Malaysia examina cuidadosamente os acordos comerciais globais para garantir que eles tratem os produtos de tabaco como produtos perigosos e viciantes.

"O principal objetivo de qualquer acordo comercial global é incentivar a livre movimentação de mercadorias e serviço entre os países, por meio da remoção de qualquer forma de cobrança de tarifas e barreiras à isenção de tarifas. No entanto, quando este princípio é aplicado aos produtos de tabaco, a saúde pública pode sofrer nos países governados por tais acordos", disse o Dr. Zain.

"O tabaco é diferente de qualquer outra commodity legal, ele é altamente viciante, causa mortes, precipita uma morbidade debilitante grave e é responsável por cerca de 30 por cento de toda a incidência de câncer. A indústria do tabaco não deveria receber nenhum privilégio e não deveria poder receber nenhum benefício dos acordos comerciais para obter lucros gigantescos às custas da saúde pública", disse o Dr. Zain.

O controle do tabaco é uma das estratégias de saúde pública mais eficazes e o tabaco é o único produto de consumo legal que tem uma lei internacional para limitar a sua oferta e procura, a Convenção da Estrutura para o Controle do Tabaco (Framework Convention on Tobacco Control - FCTC) da OMS. O Dr. Zain comentou que algumas cláusulas de muitos acordos de livre comércio podem anular a lei WHO Framework.

Vera da Costa e Silva da WHO Framework Convention on Tobacco Control abriu a coletiva com a mídia apresentando uma perspectiva global do controle e iniciativas para o combate dos esforços das empresas de tabaco de criar tratados de comércio que sejam prejudiciais à saúde pública.

"Espero que todas as pessoas do mundo em breve estejam livres da exposição à fumaça e que os bares, restaurantes e instalações públicas não contenham fumaça", ela disse.

O controle do tabaco é um item importante da IASLC 17a Conferência Mundial de Câncer de Pulmão. A IASLC está orgulhosa de ter um comitê dedicado com experts de controle do tabaco internacionalmente conhecidos.

Para mais informação, visite http://wclc2016.iaslc.org/.

Imagem Disponível: http://www.marketwire.com/library/MwGo/2016/12/5/11G124162/Images/group-fd7869d4de16921b8fc1d0631f17a2e3.jpg

Vídeo Incorporado Disponível: https://youtu.be/1tmvagPtbNk

Contact Information