SOURCE: The BioInitiative Working Group

May 17, 2010 12:45 ET

Institute for Health and the Environment, University at Albany, Rensselaer, Nova York: Estudo de celular da INTERPHONE demonstra risco aumentado de câncer de cérebro

Experts pedem mudanças no design dos celulares, avisos e proibição de uso por crianças

RENSSELAER, NY--(Marketwire - May 17, 2010) - A divulgação hoje do resultado final de um estudo de dez anos da Organização Mundial de Saúde pela INTERPHONE confirma relatos anteriores que mostram o que vários experts já disseram -- o uso regular de celular por adultos pode aumentar substancialmente o risco de glioma em 40% com 1.640 horas ou mais de uso (cerca de meia hora por dia durante dez anos). Os tumores são mais prováveis de ocorrer no lado da cabeça mais usado para fazer as chamadas. David Carpenter MD MPH, BioInitiative Report co-editor e Diretor do Institute for Health and the Environment da University at Albany, Rensselaer, NY disse que: "Apesar de não ser um estudo perfeito, os riscos documentados devem ser levados a sério como uma advertência para o limite do uso dos celulares, especialmente pelas crianças, e um pedido para os fabricantes redesenharem os celulares e PDAs. Deveria também ser uma advertência para os governos de que o acionamento de novas tecnologias para celular também podem trazer riscos para o público generalizadas, involuntárias e que aumentem os custos com o cuidado da saúde a longo prazo".

O estudo foi publicado no International Journal of Epidemiology. Treze equipes de todo o mundo combinaram seus resultados.

Michael Kundi, dirigente do Institute of Environmental Health, Medical University of Vienna, disse que: "os autores enfatizam que não foi detectado aumento do risco global. Mas isso não é inesperado. Nenhuma exposição a agentes cancerígenos que podem causar tumores como câncer de cérebro ou de pulmão, por exemplo como o tabaco e o amianto, demonstrou aumentar tão substancialmente o risco de câncer nas pessoas com tão curta exposição. O período de latência do câncer de cérebro é de 15-30 anos".

O resultado do INTERPHONE corroborou estudos anteriores da Orebro University Hospital da Suécia, University of Utah e UC Berkeley, onde meta-análises apresentaram aumento de risco do glioma quando os resultados dos estudos de tumor de cérebro foram combinados.

Lennart Hardell, da Orebro University na Suécia, conclui: "O resultado final do INTERPHONE corrobora os resultados de diversos grupos de pesquisa, incluindo o nosso próprio estudo, que demonstra que o uso continuado do celular aumenta o risco de câncer do cérebro. Não esperávamos ver um aumento substancial do risco de tumor no cérebro na maioria dos agentes causadores de câncer a longo prazo (10 anos ou mais) como é o caso da população de usuários regulares de telefone celular".

"Os pacientes deste estudo eram pessoas de 30-59 anos de idade, e não incluiu usuários mais jovens ou mais velhos. O uso de telefone sem fio foi negligenciado na análise. A radiação da frequência de rádio de alguns telefones sem fio pode ser tão alta quanto as dos celulares em alguns países, por isso a exclusão do uso deles poder subestimar o risco".

Com mais de quatro bilhões de usuários de celular em todo o mundo, o potencial para uma epidemia de câncer do cérebro leva os experts a pedir mudanças no design, avisos e a proibição da utilização de celulares por crianças. As crianças correm mais risco do que os adultos sob os efeitos das exposições mais tóxicas, incluindo a de produtos químicos e radiação de frequência de rádio dos celulares. Os experts estão preocupados com os efeitos da radiação de frequência de rádio no desenvolvimento do cérebro e do aparelho nervoso nas crianças.

Advertências de saúda pública foram levantadas no The BioInitiative Report sobre os possíveis riscos dos celulares e outras exposições aos campos eletromagnéticos (EMF) em 2007. O Relatório desaconselhou o acionamento de fontes de EMF e de radiação de frequência de rádio das tecnologias celulares antecipadamente aos estudos de saúde e defendeu novos limites de segurança biológica do público para lidar com os riscos emergentes das novas tecnologias. Os resultados do estudo INTERPHONE fornecem uma forte confirmação da importância destas advertências.

Reportes:
Risco de tumor no cérebro com relação ao uso de celular: resultados do estudo de controle de caso internacional INTERPHONE, The INTERPHONE Study Group, Maio de 2010, International Journal of Epidemiology www.ije.oxfordjournals.org, 1-20.doi:10.1093/ije/dyq079

O BioInitiative Report: A Rationale for a Biologically-based Public Exposure Standard for Electromagnetic Fields (ELF and RF) (Lógica biológica para um Padrão de exposição do público aos campos eletromagnéticos - ELF e RF). www.bioinitiative.org